Festival Ogiyan em Ejigbo

0
923
Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone
Festival Ogiyan: a celebração do bem, do mau e do feio dos antepassados ​​Ejigbo
Ogiyan é o símbolo e a identidade cultural do povo de Ejigbo, Estado de Osun. Sua celebração anual, geralmente realizada em setembro, é um festival importante que une as pessoas da cidade.  Kehinde Ayantunji neste relatório conta sobre o festival Ogiyan 2017.

Por Kehinde Ayantunji Traduzido por Orisa Brasil – Jornal Nigeriano Osun Defender

link original: http://www.osundefender.com/ogiyan-festival-celebration-good-bad-ugly-ejigbo-ancestors/


Orisa Ogiyan, é o festival tradicional da comunidade Ejigbo. Essa divindade é querida para Ejigbo, como Osun é querida por Osogbo. Tanto os muçulmanos quanto os cristãos, apesar de suas próprias crenças, participam  desse evento anual. Esta divindade pode ser rastreada até no Brasil, na América do Sul, onde é chamado de “Osagiyan” .

Na sexta-feira, 22 de setembro, uma visita antecipada ao palácio de Ogiyan de Ejigbo, Oba Omowonuola Oyeyode Oyesosin não deixa ninguém em dúvida quanto à importância do festival de Ogiyan para o povo de Ejigbo com a presença de membros dos conselhos supremos de Ejigbo Sacerdotes de Ifa, contingente de bateristas que correm para cima e para baixo pela preparação da Ifa Vigil (Aisun Ifa), uma grande obrigação espiritual que anunciou o festival no sábado.

O “Aisun Ifa”, como é tradicionalmente conhecido, se caracteriza por comer o novo inhame, o inhame batido, cantando os louvores e orando pelo governantes nos tons habituais de encantamento aos orisa, e isso é pontuado pela dança ao redor do pátio do palácio de a noite até o início da manhã quando a tradicional  ” Ewo ” é realizada.

À medida que os homens são vistos na vizinhança do palácio, centenas de mulheres com entusiasmo estão batendo os inhames, o alimento favorito de Ogiyan no pátio do palácio. O lugar inteiro não deixa dúvida do humor da festa,  o monarca depois de dançar ao redor da cidade estava dando boas-vindas aos visitantes dentro do palácio.

A Estátua de Akinjole Ogiyan, o fundador da Ejigbo

Uma cena fascinante que atraiu muita atenção mulheres enfileiradas cerca de 200 d colocavam lenha na cabeça, cantando e dançando nas ruas . A lenha cerimonial que vai ao palácio, de acordo com Ifalade Adekunle, um adorador de Ogiyan simboliza a solidariedade com as rainhas do palácio e a doação para a hospedagem bem-sucedida do convidado. “As mulheres são esposas das casas governantes, algumas são muçulmanas e cristãs, mas durante o festival, todas elas têm responsabilidades culturais para o lugar, você pode ver sua formação com o mais alto nível de excitação”.

Os sacerdotes de ifá em sua roupa branca, liderada pelo Araba Awo de Ejigbo, o Chefe Awotunde Jayeola também invadiram o lugar com seu gong tradicional, rezando pela prosperidade de Ejigbo. Depois de cumprimentar o chefe no palácio, eles seguiram para o templo na parte de trás do palácio para o ritual anual. O ritual de acordo com Araba Awo de Ejigbo deve preceder qualquer outra atividade.

Explicando o relacionamento entre Ifa e Ogiyan para OSUN DEFENDER Newspaper , o chefe Jayeola disse que Ifa guiou e previu para Akinjole, o guardião de Ogiyan durante todo o tempo de sua vida. “O mais importante é que foi Ifa que previu Ejigbo para Akinjole, o fundador do Ejigbo; nós consultamos Ifa para nosso Rei três vezes em um ano, um é chamado Isan Isa , quando os caçadores vão caçar  e outro é chamado Agbalu , o que será feito em minha casa na presença de todos os chefes tradicionais e O terceiro é Aisun Ifa , Ifa vigília que estamos fazendo hoje antes de começar a celebração principal do festival Ogiyan amanhã “.

 

“Ejigbo é uma cidade antiga culturalmente enriquecida; Além de Orisa Ogiyan, que é o símbolo da nossa cidade, pessoas celebram outras divindades que incluem Orisaunla, Egungun, Sango, Esu, Ogun e Ifa. A maioria dessas divindades tem diferentes guardiões e adoradores, mas um Orisa é cultural e tradicional para todas as pessoas em Ejigbo é Orisa Ogiyan trazido por Akinjole de Ile-Ife “.

Obatala o elefante

contato@orisabrasil.com.br | contato@yemoja.com.br

Esposas das casas governantes em Ejigbo carregando a  lenha ao palácio como parte dos ritos tradicionais do festival

À medida que os rituais estavam acontecendo no templo, a vizinhança do palácio já era turbulenta com a forte presença dos povos de  Ejigbo de Abidjan, Costa do Marfim, tradicionalistas de comunidades vizinhas entre outros espectadores. Foi realmente um ritual de toda a noite, oração e dança até o amanhecer, enquanto um palco musical estava preparado para entreter o povo até o amanhecer, enquanto o Ogiyan estava dançando com os chefes, pessoas de casas dominantes entre outros.

No sábado, o Oluwin de Ejigbo Land, o chefe Isiaka Salami liderou o que se conhece como ritos tradicionais de Eeni em toda a cidade, desde o local do santuário de Ogiyan, localizado a poucos quilômetros da cidade até o palácio de Ogiyan. Ele foi acompanhado por outros guardiões tradicionais de Ogiyan, como Ore, Enla, Salotun, Elewedi e Osupiri.

Oriki Obatala

Branco e Preto, Orisa Brasil Obatala, Oriki Itan, Orisa e Outros

Como Oluwin liderou a posse daqueles que carregavam a divindade do santuário, com os rostos cobertos; Enquanto os sacerdotes se moviam, Elewedi estava sacudindo um objeto para produzir sons e alertar as pessoas que os sacerdotes estavam passando com a divindade.

Obatala o elefante

contato@orisabrasil.com.br | contato@yemoja.com.br

É também o dia de “Ewo”, que muitos consideraram o aspecto ruim e feio do festival.

Ele contou que o então Ogiyan de Ejigbo teve um visitante um dia e o visitante teve que morar com ele no palácio. “Ele era tão amado que o Oba preferiria ir sem carne do que deixar estranhos sofrerem. Mais tarde, o estranho teve lutas sexuais com uma das rainhas no palácio, e ele teve que ser expulso com ignomínia e espancado com bastões e pedras. O estranho morreu onde as pessoas Ejigbo se referem como “Iya Osi” até hoje. Após a morte deste visitante místico, a fome e as pestilências entraram na cidade e o oráculo , quando consultado, fez referência à provação do estranho como responsável pelos sofrimentos do povo. Como uma expiação disto, a comunidade foi comandada a vencer-se da manhã a noite desse dia memorável, e isso já está em operação em Ejigbo desde então “.

Sacerdotes Ogiyan Leading the Rites tradicionais

No passado, durante a luta “Ewo”, toda a cidade seria fisicamente dividida em campos de guerra aparentes, como “O Oto Mapo e Isale Osolo” entre outros, mas a civilização reduziu essa conduta ao mínimo mais baixo. Durante o festival de 2017, foi apenas uma batida leve, com uma pequena cana para desencorajar todos os modos a divisão, além disso, as pessoas de Ejigbo reconhecem o festival Ogiyan como um festival que os uni. Também foi sabido que a comunidade muçulmana após a última renovação da Mesquita Central diretamente em frente ao palácio, que foi o campo de batalha da Ewo luta, realizou vários encontros com as partes interessadas sobre a necessidade de proteger o telhado e janela das mesquitas que é anualmente afetada pelo lançamento de pedra.

A terceira etapa do ritual foi ‘ Boosa’ onde o Orisa Ogiyan foi servido com o inhame batido feito com os novos inhame para o ano. Isto foi estritamente conduzido pelos sacerdotes Ogiyan. De acordo com um octogenário, Pa Ismaila Adigun, os principais itens alimentares deste Orisa são os caracóis,  a sopa egusi e vegetais com inhame batido, feitos , com exceção do inhame “Iganganran” (Yello Yam). Pa Adigun explicou que o Alawe de Ejigbo sempre serve a Ogiyan com 16 variedades de vegetais diferentes.

Ele disse: “O primeiro Alawe que veio de Ilawe Ekiti que o tempo saiu de Ilawe quando toda a comunidade descobriu que ele estava tendo um caso secreto com uma mulher na cidade que foi abominado. Ele deixou Ilawe Ekiti com a mulher e ficou em Ejigbo por anos, sua esposa nunca concebeu. Ele se aproximou de Akinjole, o fundador do Ejigbo que o levou a Orisa Ogiyan e sua esposa deu à luz antes do próximo festival anual. Alawe era um fazendeiro e caçador, ele não tem nada a oferecer como sacrifício para Ogiyan do que 16 variedades de vegetais em sua fazenda e procurou um grande caracol para preparar a sopa para Ogiyan. Desde então, o Alawe vem oferecendo 16 variedades de vegetais como um sacrifício para Ogiyan.

Para o povo Ejigbo, essa deidade é um deus protetor que salvou seus antepassados ​​das várias invasões Fulani durante as guerras, e sempre interceptou as epidemias de entrar na cidade. Para os fiéis, esta divindade dá filhos, saúde e alegria. Uma das suas músicas de dança tem as seguintes palavras: – “Olojogb’omojomukulumuke” (O dono do dia dança de coração com a criança), “Orisagb’omojomukulumuke” (A Orisa dança de coração com a criança) “Olojo’omonimowagba, nkogba’ke “(O proprietário do dia, é criança, eu não quero um palpite).

A história oral estabeleceu que o fundador da EJIGBO era Akinjole, filho de Origiyan, de Ile-Ife. Origiyan era um dos filhos mais novos de Oduduwa. Ele deixou Ile Ife na época em que Oranmiyan voltou do Benin para o Antigo Império Oyo. Sendo o guardião do deus de seus pais – Orisa Nla, ele deixou Ile-Ife com ele para encontrar Ejigbo. O deus mais tarde se tornou conhecido como ‘Orisa Ogiyan’ em Ejigbo.

É a crença do povo Ejigbo que Ogiyan é o espírito que reflete a manifestação de Deus nas perspectivas de pessoas Ejigbo em casa e na diáspora, portanto alguns sacerdotes são designados tradicionalmente para os ritos espirituais da divindade. Esses sacerdotes são responsáveis ​​pelo sacrifício e preparação do festival anual de Ogiyan; como o guardião da deidade, eles compreendem os segredos e todas as necessidades rituais antes, durante e após o festival.

Orisa Ogiyan tem seis principais sacerdotes responsáveis ​​pelo dia a dia pelos ritos tradicionais e pela gestão do santuário. Eles são: Oluwin, Ore, Salotun, Enla, Elewedi e Osupori

Oluwin é o chefe de todos os seis sacerdotes, é considerado como Babarisa de Ogiyan, ele é o guardião do sacerdote que interpreta o desejo ou previsões da divindade e sempre em contato com o conselho tradicional. Ele realiza sacrifícios periódicos e apropriados para apaziguar e buscar o favor de Orisa Ogiyan. Oluwin é aquele que serve os alimentos e a água para a divindade, decora o santuário e consulta anualmente o sacerdote Ifa para escolher a data apropriada para a celebração do festival de Ogiyan.

Efunwale, um sacerdote Ogiyan do Brasil e o Ogiyan Ejigbo, Oba Omowonuola Oyesosin, o Ogiyan de Ejigbo.

Ore é o segundo ao comando de Oluwin, ele trabalha diretamente com o Oluwin. Ore é de Oko, sob o atual governo local de Surulere, estado de Oyo. Ore, em um período na história do Ejigbo, encontrou o fundador de Ejigbo, Akinjole, na busca da expansão da comunidade, Akinjole ofereceu-lhe a oportunidade de residir em Ejigbo e adorar Orisa Ogiyan; ele consentiu e Akinjole lhe forneceu uma parcela de terra para cultivar. Os bateristas até a data sempre louvam Ore em relação a Oko, (Oko Omo Isese).

Osupori é o terceiro na hierarquia entre os sacerdotes Ogiyan que auxilia outros sacerdotes no culto dia a dia de Orisa Ogiyan.

Salotun é também um dos sacerdotes poderosos, que entendem a gestão tradicional de Orisa Ogiyan, ele é o quarto na hierarquia dos sacerdotes ogiianos que auxilia os outros sacerdotes no dia a dia da adoração de Orisa Ogiyan.

Enquanto isso, um especialista em turismo, o Dr. Adedokun Salaami durante o festival, em uma entrevista com Osun Defender, expressou preocupação com a negligência do governo e outros investidores no desenvolvimento do festival, dizendo que o festival tem potencial para gerar receitas substanciais para o governo.

Ele disse que “ogiyan festival não exige infra-estrutura, tudo o que exige é marketing global e apoio para os sacerdotes e incentivar empresas de hospitalidade na cidade, o festival precisa ser comercializado para mais consciência e promoção.

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here